quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O melhor amigo do noivo - episódio: despedida de solteiro



Oi. 
Desde que mudei para o Pará, estou morando na mesma casa do professor de matemática, desde então ficamos muito amigos e ele está planejando se casar no próximo mês. 

Ele me convidou para ser um dos padrinhos, e como sempre vejo naqueles filmes norte americanos, os padrinhos participando de quase tudo do casamento, resolvi fazer o mesmo, não só por ser padrinho, mas também por ser amigo

Esse domingo convidei alguns amigos nossos para dormir lá em casa  e fazermos uma despedida de solteiro. 
Eu nunca fui em uma despedida de solteiro, por isso pesquisei na internet sobre organização, brincadeiras e outras coisas de uma despedida de solteiro, mas grande parte do que encontrei falava sobre bebidas e garotas de programa, acho que não seria legal, principalmente por sermos cristãos, resolvi fazer do meu jeito. 
Encomendei um bom jantar, com petiscos e refrigerante (como vocês sabem, eu não bebo refrigerante, porém esqueceram de mandar o suco), ficamos vendo filme até a madrugada, comendo e rindo.    
No prédio escolar houve uma festa para as crianças. No meio da noite, quando todos dormiam, fomos pular na cama elástica que estava montada. Depois ficamos deitados no chão olhando as estrelas e conversando. 

Essa despedida de solteiro não foi nada parecida com as que estamos acostumados  a ver nos programas de televisão, mas foram momentos muito divertidos, ao lado de boas companhias, na verdade isso que é importante nessa vida. 

domingo, 20 de novembro de 2016

Nunca mais pedirei que um peixe suba em uma árvore.


Ola!

Hoje vendo o Facebook de alguns amigos, vi esse vídeo e parei para refletir sobre a minha pratica profissional como professor.


 

sábado, 15 de outubro de 2016

Homenagem dos meus alunos pelo Dia dos Professores


Fabiano você é amor
É um presente da vida
eu te ofereço um dolly com toda emoção
Fabiano você é amor
É um presente da vida
eu te ofereço um dolly com toda emoção


Essa foi a música que meus alunos cantaram para me homenagear pelo Dia dos Professores, e como não encontraram um refrigerante Dolly, improvisaram um.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Uma noite na selva


Olá!



Você teria coragem de dormir em meio a (densa e enorme) floresta amazônica?
Foi o que eu fiz hoje.


Anualmente os alunos da escola fazem uma noite na selva, em que realizam uma longa caminhada, até chegarem em uma área para acampamento, próximo a um rio.

Nós iniciamos a caminhada por volta das 23h, chegamos à 2:30h.
Para as pessoas que moram na cidade, as vezes não tem noção de quanto a luz da Lua é forte, ainda mais na época em que estamos, quando caminhávamos durante a noite, não tínhamos dificuldade com os galhos no caminho e por alguns trechos, sequer precisávamos de lanternas.

Quando chegamos no local, tínhamos que encontrar um local adequado para armar as redes, algumas pessoas, tão cansadas, forraram um lençol no chão e dormiu ali mesmo.

Logo após o desjejum, iniciamos a arrumação para o trajeto de volta. O retorno foi mais exaustivo que a ida, pois ainda estávamos cansados da caminhada do dia anterior e o sol forte deixava a caminhada mais fatigante.




Foi uma experiência unica, eu já havia acampado antes, mas dormir, somente com uma rede, nunca havia passado em minha cabeça.
Foi muito cansativo, mais foi espetacular... ano que vem eu vou de novo!

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Seus personagens favoritos de desenho animado... na terceira idade.


Oi!
Você já pensou em como seriam aqueles personagens, que estiveram presentes durante a nossa infância, na terceira idade?
Uma amiga me mandou umas imagens mostrando como seria. 
Eu achei quase todos muito engraçado, mas eu acho que o Mickey e a Minnie ficaram feio, eu os desenharia mais bonitos, apesar que o Mickey está parecendo "O Poderoso Chefão".
Outro que eu acredito que poderia ser melhorado é o Pateta, este sempre foi um dos personagens da Disney que eu mas gostei, e a imagem dele como morador de rua me é estranha.
O que me deixa mais impressionado é isso, mesmo que eu saiba que estes personagens são ficção, a gente acaba criando uma especie de afeto com eles.
O que você acho dos personagens? Tem algum que você gostava mais?
Deixe seus comentários.


terça-feira, 16 de agosto de 2016

Época do Caju: Chega logo!


Oi pessoal,

Estou adorando ficar aqui no Pará, a minha única tristeza é a distância da minha família e amigos. 
A Cultura aqui, em diversos aspectos, é muito diferente da Cultura do Rio de Janeiro, como na gastronomia, expressões faladas no cotidiano até mesmo nas relações interpessoais.
Um fato que está me deixando com água na boca é a florada dos cajueiros daqui. Lá no Rio, há poucos cajus e os que têm são relativamente caros, quando comparado a outras frutas.
Eu já posso me imaginar colhendo esses cajus e comendo vários.
E pelas minhas pesquisas, poderei comer despreocupado, pois a fruta faz muito bem: Época do Caju, venha logo!

Fruta nativa do Brasil, o caju é encontrado praticamente em todos os estados do país, apresentando predominância na região nordeste, devido ao clima ser mais favorável a seu plantio. Fortalece o sistema imunológico e tem efeito antioxidante no corpo devido a sua alta concentração de vitamina C, chegando a ser cinco vezes mais rica desta vitamina do que a laranja.

Caso tenham alguma sugestão de receitas que utilizem caju, me envie aqui pelo comentário, ou por e-mail, agora que estou morando sozinho, tenho que começar a me arriscar na cozinha.



quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A tocha olímpica na minha cidade... e eu aqui no Pará!


Gente eu não acredito no que está acontecendo, hoje a tocha olímpica vai passar na minha cidade, e eu estou há quilômetros de distância.
Eu sinceramente nunca imaginei que um dia a tocha olímpica pudesse passar em Belford Roxo, e desde a última vez em que a tocha passou pela cidade do Rio de Janeiro, pensei em quanto seria legal ver esse símbolo olímpico e quem sabe até na minha cidade... quatro anos depois,  a chama olímpica está passando na minha cidade e eu não estou lá para vivenciar esse momento.


A chama é acesa na Grécia, de onde é passada para um lampião com combustível para queimar por cerca de 15 horas. Desta forma, por mais que a Chama Olímpica seja apagada, rapidamente ela é acesa, utilizando a mesma chama acesa na Grécia.
A Tocha foi construída para ser como o isqueiro mais sofisticado do mundo. A cada edição, diferentes tecnologias são empregadas para evitar que a chama se apague debaixo de chuva, por falta de combustível ou outra intempérie. Em seu deslocamento nestes anos, o fogo olímpico já cruzou o Canal da Mancha de navio, enfrentou a neve, mergulhou até a Grande Barreira de Corais, na Austrália, chegou ao espaço, andou de cavalo e camelo e viajou em canoas indígenas.
Apagar a tocha olímpica é considerado crime de dano ao patrimônio, podendo levar o infrator à prisão e ao pagamento de uma fiança de R$ 1.000,00 (mil reais).

terça-feira, 2 de agosto de 2016

☁ ✈ Fotos aéreas da Cidade de Belém ☁ ✈


Oi,

Essas são as fotos que eu tirei, do avião, quando sobrevoava a Cidade de Belém.
















segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Romero Britto no Aeroporto Santos Dumont/RJ

Oi!
Quando alguns lerem o título dessa postagem, podem pensar que eu encontrei com o, prestigiado artista, Romero Britto no Aeroporto.
Não, (infelizmente) não foi isso, eu encontrei duas de suas inigualáveis obras no aeroporto Santos Dumont.
Romero Britto é brasileiro, porém atualmente vive nos Estados Unidos, ele já fez trabalhos para diversas celebridades. Suas obras são caracterizadas por sua alegria e cores, em geral são traços simples, que atrai fãs (inclusive muitas pessoas famosas) justamente por essa essa simplicidade combinado com originalidade.

O nome das obras são: Squeaki (O Gato) e Dancing Boy (em português, Menino Dançando), essas e algumas outras é uma coleção de nove peças doadas por Romero Britto à Infraero, para que os passantes pudessem ter acesso e admirar às obras. As outras peças da coleção podem ser vistas no Aeroporto do Galeão (também no Rio), Guarulhos, Curitiba, Brasília, Belém, Fortaleza e Salvador, quem sabe um dia também terei a oportunidade de admirar e fotografar as demais peças da coleção.

domingo, 31 de julho de 2016

Minha Viagem: Rio de Janeiro - Altamira


Oi amigos,

Hoje eu estou aqui no Pará, como eu havia dito antes, eu vim aqui para trabalhar em uma escola interna situada na cidade de Uruará.

Tirei algumas fotografias para que vocês pudessem acompanhar essa nova etapa da minha vida.














sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia


Oi Amigos,

Estou preparando as malas para ir para o Pará, neste estado existem muitos casos de Febre Amarela, o que fez com que eu me preocupasse em tomar a vacina para tal enfermidade, e descobri que alguns países exigem que a pessoa antes de ingressar neste país, tenha tomado a vacina contra Febre Amarela e possua o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia, estou providenciando o meu, caso algum de vocês pretendam viajar para alguma área com ocorrências desta doença, creio que esse post lhe será muito útil.


***


Atualmente, a única vacina exigida para viagens internacionais é contra a febre amarela. Essa vacina tem validade de dez anos e deve ser administrada, novamente, até o final do período. 
O único documento mundialmente aceito que comprova a vacinação contra a febre amarela é o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia. Em alguns países, a não apresentação do CIVP pode significar motivo para impedir a entrada de viajantes internacionais no local. 
No momento da vacinação, o indivíduo recebe um certificado de vacinação válido apenas no Brasil. Para realizar a troca pelo Certificado Internacional de Vacinação - CIVP, deverá procurar pessoalmente clínicas privadas ou postos públicos de vacinação determinados pela ANVISA. A vacina precisa ser tomada com antecedência mínima de 10 dias à viagem.
Levar documento original, oficial e com foto (RG ou passaporte, por exemplo).
Levar o comprovante de vacinação/cartão de vacinas original, estar na validade (a vacina vale por dez anos), ser de um posto de saúde público ou privado com o número completo de lote da vacina, data legível e carimbo com identificação do posto e assinatura do vacinador.
Este serviço é gratuito.
A ANVISA recomenda que se faça um pré-cadastro, cujo modelo se encontra no site www.anvisa.gov.br/viajante